Essencias e suas aplicações


Na Floresta Amazônica existe uma grande diversidade biológica com  inúmeras espécies de árvores, insetos e animais. Como a Amazônia é muito grande e é composta por vários estados com hábitos, cultura e costumes distintos, ocorre que os nomes populares atribuídos às arvores variam muito de região para região, portanto o correto seria referir-se a uma determinada espécie de madeira, principalmente pelo seu nome cientifico, que é único e catalogado na literatura existente. Desta forma apresentamos uma forma de classificação das madeiras através de fichas técnicas que podem ser consultadas abaixo.

Podemos classificar as espécies de madeiras em grupos, de acordo com a sua densidade e resistência mecânica, da seguinte forma:

 

Construção civil pesada interna (Madeira do "grupo 1"):

São as madeiras de alta densidade, ou seja, acima de 800 kg / m³. (15%)

As espécies deste grupo são as mais nobres e de maior valor, por serem destinadas desde a aplicação em estruturas definitivas residenciais até ao beneficiamento para produção de peças de acabamento e de marcenaria.

 

São madeiras que na sua maioria possuem alta resistência mecânica e bom acabamento quando tratadas na sua forma aparente.

Este grupo engloba as peças de madeira serrada na forma de vigas, caibros, pranchas e tábuas utilizadas em estruturas de cobertura onde tradicionalmente era empregada a madeira de peroba-rosa (Aspidosperma polyneuron). Neste grupo, estão espécies como:

 

Nome Popular                              Nome Científico

Araracanga Aspidosperma desmanthum.
Angelim-pedra Hymenolobium spp.
Angelim-vermelho Dinizia excelsa
Angico-preto Anadenanthera macrocarpa
Angico-vermelho Parapiptadenia rigida
Bacuri Platonia insignis
Bacuri-de-anta Moronobea coccinea
Cupiúba Goupia glabra
Eucalipto Eucalyptus tereticornis, E. citriodora, E.saligna
Faveira-amargosa Enterolobium schomburgkii
Garapa Apuleia leiocarpa
Goiabão Pouteria pachycarpa
Itaúba Mezilaurus itauba
Jarana Lecythis jarana
Maçaranduba Manilkara spp.
Muiracatiara Astronium lecointei
Pau-amarelo Euxylophora paraensis
Pau-mulato Calycophyllum Sprumceanum
Rosadinho Micropholis guianensis
Pau-roxo Peltogyne spp.
Sapucaia Lecythis pisonis
Tanibuca Terminalia spp.
Tatajuba Bagassa guianensis
Timborana Piptadenia suaveolens
Uxi Anadenanthera macrocarpa

                                  

 

Construção civil leve externa e leve interna estrutural (Madeira do "grupo 2") : 

São as madeiras de media densidade, ou seja, entre 600 e 800 kg/m³. (15%).

As espécies que se encaixam neste grupo podem ser destinadas a aplicações estruturais provisórias como escoramentos e principalmente caixarias para a construção civil ou até mesmo marcenaria, pois já são madeiras que possuem resistência mecânica, ainda que não elevada. Outra característica limitante neste grupo de espécies é a baixa resistência a intempéries por períodos longos e também ao ataque de insetos.

 

Reúne as peças de madeira serrada na forma de tábuas e pontaletes empregados em usos temporários (andaimes, escoramento e fôrmas para concreto) e as ripas e caibros utilizada em partes secundárias de estruturas de cobertura. A madeira de pinho-do-paraná (Araucaria angustifolia) foi a mais utilizada durante décadas neste grupo, que estão espécies como:

 

Nome Popular                       Nome Científico

Angelim-pedra Hymenolobium spp.
Bacuri Platonia insignis
Bacuri-de-anta Moronobea coccinea
Cambará Qualea ssp.
Canafíscula Peltrophorum vogelianum
Cedrinho Erisma uncinatum
Eucalipto  Eucalyptus tereticornis, E. citriodora, E.saligna
Garapa Apuleia leiocarpa
Jacareúba Calophyllum brasiliense
Louro-canela Ocotea spp. ou Nectandra spp.
Louro-vermelho Nectandra rubra
Marinheiro Guarea spp.
Pau-jacaré Laetia procera
Quaruba Vochysia spp.
Rosadinho Micropholis guianensis
Tatajuba Bagassa guianensis
Tauari Couratari spp.
Taxi Tachigali spp. ou Sclerolobium spp

 

 

 

Construção civil leve interna decorativa (Madeira do "grupo 3"):

São as madeiras leves de baixa densidade, ou seja, com a massa especifica variando entre 400 e 600 kg /m³. (15%).

As espécies que se encaixam neste grupo são destinadas basicamente a produção de lâminas para a fabricação de compensados e aglomerados de diversos tipos, pois são madeiras que possuem baixíssima resistência mecânica e desta forma não podem ser usadas em aplicações estruturais nem mesmo as provisórias como caixarias e escoramentos.

 

Abrange as peças de madeira serrada e beneficiada, como forros, painéis, lambris e guarnições, onde a madeira apresenta cor e desenhos considerados decorativos. Neste grupo está a madeira de imbuia (Ocotea porosa), e também as espécies como:

 

Nome Popular                       Nome Científico
 
Angelim-pedra Hymenolobium spp.
Bacuri Platonia insignis
Cerejeira Amburana cearensis
Curupixá Micropholis venulosa
Freijó Cordia goeldiana
Grevílea Grevillea robusta
Louro-canela Ocotea spp. ou Nectandra spp.
Louro-vermelho Nectandra rubra
Macacaúba Platymiscium ulei
Marinheiro Guarea spp.
Muiracatiara Astronium lecointei
Pau-amarelo Euxylopho paraensis
Pau-roxo Peltogyne spp.
Rosadinho Micropholis guianensis
Tatajuba Bagassa guianensis
Vinhático Plathymenia spp.

 

 

 

Construção civil leve interna, de utilidades geral (Madeira do "grupo 4"):

Abrange as peças de madeira serrada e beneficiada, como forros, painéis, lambris e guarnições, onde os aspectos decorativos da madeira não são fatores limitantes. A referência é a madeira de pinho-do-paraná. (Araucaria angustifolia), neste grupo estão:

 

Nome Popular                       Nome Científico

 

Angelim - Pedra Hymenolobium spp.
Cambará Quatea spp.
Cedrinho Erisma uncinatum
Cedrorana Cedrelinga cateninformis
Cuningâmia  Cunninghamia lanceolata
Cupressus  Cupressus lusitanica
Eucalipto  Eucalyptus tereticornis, E. citriodora, E.saligna
Faveira - Amargosa Enterolobium schomburgkii
Jacareúba Calophyllum brasiliense
Marupá Simarouba amara
Pinus Pinus spp.
Quaruba Vochysia spp.
Tauari Couratari spp.
Taxi Tachigali spp.

 

 

Construção civil leve em esquadrias (Madeira do "grupo 5"):
 

Abrange as peças de madeira serrada e beneficiada, como portas, venezianas, caixilhos. A referência é a madeira de pinho-do-paraná (Araucaria angustifolia), também estão neste grupo:

 

Nome Popular                       Nome Científico 

 

Angelim-pedra Hymenolobium spp.
Bacuri Platonia insignis
Cedrinho Erisma uncinatum
Cedro Cedrela sp.
Freijó Cordia goeldiana
Garapa Apuleia leiocarpa
Louro-canela Ocotea spp. ou Nectandra spp.
Louro-vermelho Nectandra rubra
Marinheiro Guarea spp.
Marupá Simarouba amara
Pau-amarelo Euxylophora paraensis
Tauari Couratari spp.
Taxi Tachigali spp.

 

 

Construção civil - assoalhos domésticos (Madeira do "grupo 6"):
 

Compreende os diversos tipos de peças de madeira serrada e beneficiada usados em pisos (tábuas corridas, tacos, tacões e parquetes). A madeira de referência é a peroba-rosa (Aspidosperma polyneuron), também estão neste grupo:

 

Nome Popular                       Nome Científico

 

Angico-preto Anadenanthera macrocarpa
Angico-vermelho Parapiptadenia rigida
Bacuri Platonia insignis
Garapa Apuleia leiocarpa
Goiabão Pouteria pachycarpa
Itaúba Mezilaurus itauba
Macacaúba Platymiscium ulei
Maçaranduba Manilkara spp.
Muiracatiara Astronium lecointei
Pau-amarelo Euxylophora paraensis
Pau-mulato Calycophyllum Sprumceanum
Pau-roxo Peltogyne spp.
Tanibuca Terminalia spp.
Tatajuba Bagassa guianensis
Timborana Piptadenia suaveolens
Uxi Anadenanthera macrocarpa

 


Todos os direitos reservados MAB - 2018
Design by SitesABC.net